Manta, cachecol ou pashmina?

Há quem diga que são apenas panos e lãs que enrolamos no pescoço e que pouco importa o nome da peça. Mas o fato é que os acessórios que usamos nas estações frias tem nomes distintos, apesar da diferença entre eles não ser tão nítida.

Em muitos invernos eu generalizei e chamei todos meus panos quentes – de colocar no pescoço – de manta. Coisa de gaúcha no frio, talvez. Porque falar “manta” me remetia à peças em lã, coisas que aquecem do frio, fogo, vinho perto da lareira, fogão à lenha, chaleira chiando, café quente, chimarrão. Chamar pelo nome correto não fazia muito sentido. De uns tempo pra cá comecei a achar o maior charme a palavra pashmina e a adotei para me referir aos meus cachecois, mantas e echarpes. Eu estava cometendo um erro.

Ainda não chegamos no inverno. Estamos no outono no Brasil e aqui no sul do país já faz muito frio. Tiramos nossos cachecois e mantas dos armários e estamos a usá-los enrolados no pescoço ou em volta de toda a cabeça, nos protegendo do ar gelado que resfria até os ossos. Até echarpes e lenços ajudam a aquecer e compor o visual, apesar de serem mais finos. Eu já separei os meus. E você, quais destes acessórios tem no seu armário? Vamos lá. Vamos descobrir juntos?

Cachecol

O cachecol já tem um nome que é aconchego puro. Ele é um acessório quentinho, confeccionado com lã e tecidos macios e mais grossos. São compridos e estreitos. Foram feitos especialmente para nos proteger do frio. Podemos encontrar cachecóis feitos de lã de ovelha, tricô, pashmina e fleece, um tecido térmico, que deixa tudo quentinho.

Cachecol tem origem francesa, de “cacher” (esconder ou ocultar) e “col” (colarinho do pescoço); no entanto, segundo a história do cachecol, sua origem é na Roma Antiga. Eram usados pelos homens ao redor do pescoço ou atado na cintura. Os antigos soldados romanos os usavam em dias quentes para se refrescarem. O pano era chamado de “focale” e era amarrado ao redor do pescoço.

Pashmina

A pashmina é o nome dado ao fio de cashmere (cachemir ou caxemira), uma lã que vem do pêlo de quatro raças de cabras da região da Caxemira, situada entre a Índia e o Paquistão. Dizem que esta lã é uma das fibras mais finas e macias do mundo. Cachecóis, xales ou echarpes podem ser feitos em pashminas e não terão um acabamento nas bordas, pois os fios são muito delicados.

Pashmina vem a palavra persa “pashm” (lã) e há muitos séculos se referia aos lenços de caxemira, tecido à mão, os quais no decorrer dos anos começaram a ser chamados de lã de pashmina – para se referir aos elegantes e coloridos lenços de caxemira tecidos à mão.

Atualmente e “erroneamente” usa-se a palavra pashmina para todo tipo de cachecóis, mantas e echarpes. Mas só podemos chamar de pashmina aqueles feitos da fibra de lã de caxemira.

Como saber se uma pashmina é verdadeira ou falsa? Simples. Se o valor é baixo, acessível não pode ser uma pashmina verdadeira. A pashmina será cara. É uma matéria prima de luxo e será muito mais cara que um lenço de seda pura.

Manta

A manta tem corte retangular e é produzida em tecidos pesados, especialmente é feita com lã de ovelha, tricô e até pontos em crochê. Serve para agasalhar do frio. É quase uma capa. É mais larga que o cachecol e essa é a diferença entre os dois acessórios.

Lenço

O lenço tem formato quadrado e é confeccionado em tecido leve, como a seda, o algodão, o linho e o viscose, entre outros. Pode ser usado em todas as estações, não apenas enfeitando o pescoço, mas no cabelo, na bolsa das mulheres, na cintura como cinto. É muito versátil. Alguns tem acabamento liso, outros tem franjinhas de diferentes tipos, que dão um efeito lindo sobre as peças de roupas.

Echarpe

A echarpe é retangular e pode ser traduzida como um lenço longo e lindo. Eu amo muito esse acessório. Ela é feita com tecido levinho, como o crepe, seda, chifon, cetim e algodão. Algumas tem acabamento retos enquanto outras tem franjas. Deixam o look super charmoso em todas as estações.

Espero que tenha conseguido deixar clara as diferenças entre cachecol, pashmina, lenços, echarpes e mantas. Na próxima postagem escreverei sobre palas e ponchos, que amooo!

Por Giovana Petrocele